Aminas Biogênicas ou Monoaminas

Como os neurotransmissores são divididos em algumas categorias, estes posts forão para definí-las e falar um pouco de cada uma.

Para começar a explicar sobre as Aminas Biogênicas pode-se definir o conceito, aminas são compostos orgânicos nitrogenados e a palavra biogênicos significa produzidos pela ação de organismos vivos ou essencial à vida e sua manutenção.
Entre os neurotransmissores do SNC existem algumas mono­aminas importantes, conhecidas como aminas biogênicas. Um grupo delas é formado por uma parte alifática, a amina, e uma parte aromática, o catecol. Outro grupo de monoaminas contém o radical, o indol.
Devido à presença desses dois tipos de radicais nas monoami­nas neurotransmissoras, designam-se estas substâncias com os nomes de catecolaminas e indolaminas, em consonância com a pre­sença nelas do radical catecol ou indol.
As catecolaminas mais conhecidas são: a dopamina, a nora­drenalina (ou norepinefrina) e a adrenalina (ou epinefrina).
Das indolaminas neurotrasmissoras, a 5-hidroxitriptamina, ou serotonina e a histamina.
Catecolaminas:
Dopamina – A dopamina é um tipo de neurotransmissor inibitório derivado da tirosina e classificado no grupo das aminas. Produz sensações de satisfação e prazer. Os neurônios dopaminérgicos podem ser divididos em três subgrupos com diferentes funções. O primeiro grupo regula os movimentos: uma deficiência de dopamina neste sistema provoca a doença de Parkinson, caracterizada por tremuras, inflexibilidade, e outras desordens motoras, e em fases avançadas pode verificar-se demência. O segundo grupo, o mesolímbico, funciona na regulação do comportamento emocional. O terceiro grupo, o mesocortical, projeta-se apenas para o córtex pré-frontal. Esta área do córtex está envolvida em várias funções cognitivas, memória, planejamento de comportamento e pensamento abstrato, assim como em aspectos emocionais, especialmente relacionados com o stress. Distúrbios nos dois últimos sistemas estão associados com a esquizofrenia.
A carência da dopamina no cérebro é localizada na área motora, especificamente na substância negra, região do tronco encefálico, que contém grande quantidade de um pigmento conhecido como neuromelanina. É na substancia negra que tem origem a sintetização da dopamina.













Resumo da síntese da dopamina:
Tirosina -- (Tirosina-hidroxilase) --> L-Dopa (levo-diidroxifelalanina) -- (Descarboxilase ácida L-amino-aromática) --> Dopamina



Noradrenalina (Norepinefrina) - Este neurotransmissor é encontrado no SNC, no tronco cerebral e no hipotálamo, e possui ação depres­sora sobre a atividade neuronal do córtex cerebral. A noradrenalina do SNC provém da metabolização da dopamina pela ação da enzima dopamina beta-hidroxilase que metaboliza, também, o 5-hidroxipto­fano em 5-hidroxitriptamina ou, então, origina-se da recaptura do neurotransmissor da fenda sináptica.













Damos, a seguir, as etapas da síntese da noradrenalina:
Fenilalanina --> Tirosina --> L-Dopa --> Dopamina --> Noradrenalina­
A noradrenalina liberada na fenda sináptica pode ser usada para excitar um receptor pós-sináptico; pode ser recapturada para o neurônio pré-sináptico; ser metabolizada pela -O- metiltransferase (COMT) ou metabolizada no líquido extracelular, dando como pro­dutos finais o 3-metoxi-4-ácido hidroximandélico (VMA) ou o ácido homovanílico (HVA).

Adrenalina (Epinefrina) - Como neurotransmissor do SNC, é bem menos conhecida do que as duas catecolaminas prece­dentes. Ela tem sido muito estudada, mas, em correlação com sua atividade nos nervos do sistema nervoso autônomo, no seu segmento simpático e na medula da glândula supra-renal. No SNC, estritamente falando, são descritos sistemas adrenér­gicos em alguns núcleos hipotalâmicos relacionados com uma ati­vidade vasoconstritora. A adrenalina tem efeito sobre o sistema nervoso simpático: coração, pulmões, vasos sanguíneos, órgãos genitais, etc. Este neurotransmissor é liberado em resposta ao stress físico ou mental, e liga-se a um grupo especial de proteínas - os receptores adrenérgicos. Seus principais efeitos são: aumento dos batimentos cardíacos, dilatação dos brônquios e pupilas, vasoconstricção, suor entre outros. A adrenalina está presente em muitas formulações farmacêuticas intravenosas, principalmente no tratamento da asma, hemorragias internas, entre outros.Uma pequena síntese de adrenalina ocorre, também, no tronco cerebral.
A enzima que converte a noradrenalina em adrenalina é a N-metiltransferase.


Indolaminas

Serotonina (ou 5-hidroxitriptamina) é o mais estudado neu­rotransmissor indolamínico.
Atualmente a Serotonina está intimamente relacionada aos transtornos do humor, ou transtornos afetivos e a maioria dos medicamentos chamados antidepressivos agem produzindo um aumento da disponibilidade dessa substância (tornam ela mais disponível) no espaço entre um neurônio e outro.
Esta amina biogênica encontra-se no SNC, notadamente no tronco cerebral, amígdala, mesencéfalo, núcleos talâmicos e no hipotálamo.



Resumo da síntese da serotonina.
Triptofano -- (Hidroxilase-triptofano) --> 5-Hidroxitriptofano (5-HTP) -- (Descarboxilase) -- 5-Hidroxitriptamina (Serotonina)


Histamina - A histamina é uma amina biogênica cujos estudos acerca de sua atuação sobre os tecidos, em especial sobre o coração, têm sido efetuados desde o início deste século. Seu padrão de distribuição no tecido cardíaco humano é praticamente o mesmo em diferentes espécies, apresentando maior concentração no átrio direito e a seguir decrescendo no átrio esquerdo, ventrículo direito e, finalmente, menor concentração no ventrículo esquerdo. A histamina é feita a partir do aminoácido histidina, e está presente nos mastócitos e basófilos. Atuam em receptores H1 e H2 centrais e periféricos. A histamina age no receptor H2 do coração aumentando a freqüência cardíaca e o débito cardíaco, com risco de arritmias. Ambos os receptores H1 e H2 agem sobre os vasos sanguíneos causando vasodilatação generalizada, com diminuição da pressão arterial, rubor cutâneo e cefaléia.






Postado por Lucas Vargas


3 comentários:

Arthur disse...

Poxa, p um aluno de Medicina, como podem ocorrer tantos erros de português? tipo: forão, sintetização ( ao invés de síntese), etc.
Mata-me de vergonha!

Angela disse...

oh amigos, desculpem tar a rectificar (também sou de medicina)...mas as histaminas não se encontram só no coração. o artigo científico de onde vocês tiraram isso também eu li!!! =| esse artigo é que se debruça especificamente sobre esse órgão, mas também existem histaminas ao nível do sistema nervoso, no tubo gastrointestinal e nos pulmões - até porque a hormona em questão induz à vasodilatação, à secreção de suco gástrico, à quimiotaxia (lembram-se de ler isto??)
bom, apaguem lá este comentário e corrijam aquilo antes que alguém leia!!! =S
Na boa, não tou aqui para criticar ninguém - se fossse comigo gostaria que me corrigissem!
Parabéns pelo bom trabalho e boa sorte!

Paulo disse...

QUE TAL INCLUIR A MELATONINA ENTRE AS INDOLAMINAS E FALAR SOBRE ELAS: SÍNTESE E SIGNIFICADO CLÍNICO.

 


Templates Novo Blogger 2008